sábado, 30 de julho de 2011

Sonhos



Os sonhos esvaem-se das minhas mãos...
São como folhas secas que caiem
Tento agarra-los mas eles não deixam...
São como o ar

Eles não deixam!
Não deixam!

E com tanto sonho que ainda tenho por sonhar
Quando uns vão, outros ficam

Sempre ficaram
Sonhos para sonhar
Mesmo, aqueles que caem no chão


Apenas mudam a forma
O nome não...

Sonhos...

2 comentários:

  1. Um belo espaço
    Com boa poesia

    Serei visitante assíduo.

    Bjoca.

    ResponderExcluir
  2. obrigado,pela tua visita.
    e sim, espero que estejas sempre.:)

    bjokas

    ResponderExcluir