terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Só o Tempo em Palavra







O espaço

               Ser entre as palavras

 O esboço inacabado inalterável

                                 O vácuo


(sei seres silêncio que toca)


Parte de mim incompleta

               Ser por ser

                         Repleta de asas


(Gotículas são meus versos em busca)


Um Só maior em vislumbre

(Nenhuma vela se apaga sem vento)

Sem Sol um passo de luz

(Sem vento acendo todas)       


                        Inacabada esfera em dias

Vaga de fogo no passo da melodia

Ser entre os espaços só o tempo em palavra.




13 comentários:



  1. Palavra-tempo
    Etereo momento
    Inalterada hora

    Palavra-fogo
    Afogueado verso
    Chamando chama

    Palavra-espaço
    Vagante vácuo
    Lugar Só

    Palavra-vento
    Passando
    Arrastando
    A palavra
    Incompleta

    Só o tempo
    Só a palavra


    _______________________________


    Um poema introspectivo mas onde o ser é exposto

    Forte e profundo.


    Bjo.


    ResponderExcluir
  2. Mais um poema muito belo e profundo que me encanta...

    Onde os espaços interior e exterior buscam completude...

    Nas tuas belas construções poéticas,trazem a melodia de versos

    que cantam a voz da tua alma!

    "Inacabada esfera em dias

    Vaga de fogo no passo da melodia

    Ser entre os espaços só o tempo em palavra"

    Belíssimo!!

    Beijos,querida amiga.

    ResponderExcluir
  3. "Sei seres silêncio que toca" - nem todos conseguem ver o silêncio, muito menos senti-lo...

    Um lindo poema, para ler em silêncio...!

    Beijo, bom domingo!

    ResponderExcluir
  4. A dar a cara ao vento...
    Gostei muito, Maria João!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  5. O espaço o tempo a palavra
    o silêncio que toca
    ser entre as palavras
    acendendo todas as velas

    Fantástico raciocínio poético.
    Beijinhos,Maria João.

    ResponderExcluir
  6. Palavras que chegam a nós, no tempo de ser, de ter sido, num silêncio de sermos interiormente.
    Um prazer ler a sua poesia.
    beijinho
    cvb

    ResponderExcluir
  7. e quando a palavra suspende o silêncio a poesia ressuscita a chama que o vento não apaga.
    belo
    reflexivo
    surpreendente no silêncio que grita :fogo

    ResponderExcluir

  8. E assim somos; entre espaços de silêncio e e a tela das palavras, entre o vacuo e a própria consciência. Assim somos, velas a protegerem-se do vento.

    Este é um espaço de qualidade! Acho que já to disse. Acho...

    Um beijinho. Obrigada!

    ResponderExcluir
  9. As tuas palavras encantam-me.
    Sempre.
    Como neste excelente poema.
    Maria João, minha querida amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. O tempo
    a ser espaço
    dentro da palavra.
    A palavra
    "repleta de asas"
    a completar o tempo.

    Tão estimulante a tua poesia!

    Muito obrigada por estes bons momentos de leitura.
    Beijinho e bom fim de semana, Maria João :)

    ResponderExcluir
  11. Olá. Coloca as palavras nos lugares certos com dedos de veludo. Muitos parabéns.

    ResponderExcluir
  12. Reli-te com agrado.
    Mas espero que a tua inspiração volte. Ou a falta de tempo...
    Maria João, minha querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir