quarta-feira, 11 de julho de 2012

Não Sabes que sou feita de Sonhos




video





Tu não sabes das manhãs feitas noite

                        Dos pássaros mudos que pousam na minha janela

             Das vezes que corro em busca das borboletas perdidas


                                  Não, tu não sabes

                          Do silêncio que é som todos os dias

Dos dias que são areias seladas nos passos


Porque não sabes que o tempo é inerte

                                           Que se move como as marés

           Sincronizadas como asas 



Tu não sabes e eu não sei

                             Porque não há cânticos

Quando abro o horizonte pelas janelas feitas de mundos


Correrei atrás das borboletas pela escuridão

(até inventar asas)

Porque não sabes, que sou feita dos sonhos

                                     de uma flor por nascer.



14 comentários:

  1. Ninguém sabe
    dos pássaros mudos que pousam na janela,
    ninguém escuta seu silêncio

    Ninguém sabe
    que os dias são areias seladas nos passos,
    ninguém sente a inércia do tempo

    Talvez só
    uma borboleta


    _________



    Um belíssimo poema, com traços de excelência,
    num tom profundamente íntimo,
    talvez por isso enternecedor e arrebatador


    Não sei se é o teu melhor poema
    mas foi seguramente um dos que mais me tocou

    Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Querida amiga,

    Esse teu poema é um sonho... Na excelência poética,que revela a alma

    da poesia, cantada pelo silêncio feito dos dias, inscritos com uma

    das mais belas inspirações...

    Simplesmente magnífico!!!

    Sabes,para mim foi um presente ler, sentir, sentir esse teu poema

    e ainda mais;escutar,sentir e internalizar essa belíssima

    declamação...

    Parabéns para os dois!!

    Beijos grandes.

    ResponderExcluir
  3. Não te sabem as asas, teus sonhos,
    não te sabem os sonhos, ainda te sonhar
    não te descobriram
    as Vanessas virginiensis
    meninas, anjos, bailarinas dos verões
    não, não te encontraram
    a culpa é do tempo
    que te fecha a janela aberta
    que te rouba as horas
    que desvia da alegria
    de correr, bailar, voar
    entre todas as vanessas
    porque o verão é um sopro
    que se esvai, num piscar de olhos
    das mais belas borboletas...
    Ainda bem que minha retina
    tira instântaneos para os eternizar

    Querida amiga, achei teu poema lindo e me lembrei que as borboletas só vivem o tempo suficiente de amar (copular), depois morrem... ou seja, só vivem para ser feliz!

    ResponderExcluir
  4. Também vou comentar, não o meu poema óbvio
    Mas sim o som dele,
    O som que Filipe Campos Melo lhe deu na sua declamação
    Que eu adorei, não apenas por ser de um poeta que eu muito admiro
    Também como amigo, com um talento inegável
    Sem palavras para expressar o que senti, cada frase foi expressada
    Perfeitamente em sintonia com o poema.

    É com muito orgulho que tenho um poema meu declamado por ti,

    Obrigada amigo!

    ResponderExcluir
  5. Gostei imenso do teu poema.
    Que também é muito bem dito.
    Parabéns pelo talento que as tuas palavras revelam.
    Maria João, querida amiga, tem um bom domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Voltei.
    Ouvi de novo e reli.
    E continuei a gostar imenso do teu poema.
    Maria João, minha querida amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Os sonhos são a melhor matéria...!

    "Das vezes que corro em busca das borboletas perdidas" - Linda, esta frase, lindo o poema, gostei muito.
    Li-o antes de o ouvir, e a entoação que lhe dei na minha mente era um ligeiramente diferente, mas também gostei muito desta declamação.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Sim, és. feita de flores silvestres (por nascer) e de suspiros cantados, quando a noite solta todas as borboletas (das quais corres atrás, já com as asas que inventaste:-)aprisionadas no peito de amor e dor. porque sabes que és poema a emergir num sonho a cumprir.

    (adoro ler-te:-)
    bj.º

    ResponderExcluir
  9. Poema que é uma espécie de manifesto.
    Muito bom.

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  10. Seguir andando até que o voo se faça autêntico.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  11. Voltei a reler... mas gostei de o fazer.
    Deves estar de férias, com muito trabalho ou sem inspiração...
    Beijo, querida amiga Maria João.

    ResponderExcluir
  12. Este poema é espectacular!
    Que tenhamos sempre a cor e asas das borboletas para podermos alcançar os nossos sonhos.

    ResponderExcluir