segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Acaso





O acaso raro

De se prenderem as sílabas  

             Nenhum traço é traço do acaso

Nenhum acaso é premeditado


Todo o círculo tem um ponto de partida

                            Que parte onde começa

Que começa onde é seu fim


Resisto

Exacta é a linha directa em curvas

Sem voz ouço as sílabas 
                                          Indignas do fim
Insisto


O começo é passo raso na espera do Sol

O que os dedos não tocam a boca não diz
(Redigo…)



18 comentários:

  1. " Nenhum traço é traço do acaso" e tudo é diverso em circuito permanente.
    Gosto do teu traço, amiga.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Resisto
    -----
    Vamos resistindo,... até um dia!
    --------
    Felicidades

    ResponderExcluir
  3. Leio e sinto o toque de boas energias.
    É talvez o voo da borboleta
    "na espera do Sol".

    Beijinho, Maria João :)

    ResponderExcluir
  4. "O acaso raro
    De se prenderem as sílabas"

    Poderia deter-me apenas no verso inicial
    divagar ao seu redor, em palavras circulares, afirmar a sua sublimação
    (e seria suficiente para sentir a imensa poesia imersa ao poema e dizer que não sendo rara encontrá-la nos teus poemas, este verso se demora, inspira, contagia, assim se fazendo excelência).

    Mas é irresistível prosseguir

    "Nenhum traço é traço do acaso
    Nenhum acaso é premeditado"

    alongando o traço filosófico do verso
    contradizendo-o (toda a premeditação é causal)
    afirmando-o (toda a causa é acaso)
    reforçando a irrecusável interpretação
    a inevitável rendição (ao verso)

    "Todo o círculo tem um ponto de partida
    Que parte onde começa
    Que começa onde é seu fim"

    reencontrando no circulo perfeito a imperfeição do tempo
    a intersecção dos estados, a inquietação do mundo

    E, então, poderia, caminhar pelos versos finais (assumido deslocamento entre o etéreo e a terrena arte de Ser)

    Mas

    "Resisto"

    porque "O começo é passo raso na espera do Sol"

    E não é por acaso.

    ________________

    Como se lê gostei muito

    Bjo.

    ResponderExcluir
  5. Os acasos ultrapassam-nos, o sangue agitado das veias devassa-nos...
    (Não há fórmulas, é melhor assim. Se, por acaso (?) alguém conseguir a fórmula suprema, uma coisa é certa: terá sempre que se debater com a solidão)

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  6. Querida amiga,

    Primeiro,preciso dizer que estava com muita saudade de ler-te,mas

    a espera proporcionou esse presente; esse teu belíssimo,profundo

    e grandioso poema...

    Esse teu poema tem o teu traço-arte,que nos conduz filosoficamente

    ao símbolo da mandala,a roda de sansara,a perfeição do universo em

    seus ciclos impermanentes e a comunicação da sicronicidade em vida

    que pulsa...

    "O começo é passo raso na espera do sol"

    A luz que inicia,renova e aponta sempre o caminhar...

    Adoro caminhar por essa tua luz-poesia que nos emociona!!

    Beijinhos grandes.

    ResponderExcluir
  7. Não é um acaso tu escreveres tão boa poesia.
    Este poema é um exemplo disso mesmo.
    Excelente.
    Maria João, tem um bom fim de semana.
    Beijo, poeta.

    ResponderExcluir
  8. De folhas de Outono se coroa uma tonta
    Lancei pedras sobre as ondas furiosas
    Teimosamente arde neste peito uma raiva
    E vi muito lixo num covil de raposas

    As coisas que um poeta vê
    As coisas que que invadem uma alma demente
    Num silencio contaminador, estonteante
    Ouvi palavras de amargo presente

    Cheguei finalmente a uma certa praia
    Fiquei encoberto por uma mancha de gaivotas
    Na impressionante fachada da minha alma
    Fecham-se com estrondo todas as portas


    Doce beijo

    ResponderExcluir

  9. Nenhum traço nasce do acaso. Em cada ciclo que acaba outro recomeça, como o elo de um cordão que parecendo linha recta, tem a forma circular sem que se perceba onde começa ou quando finda.

    Belíssima a tua poesia... e só agora a descobri.

    Um beijinho, Maria João. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  10. "O que os dedos não tocam a boca não diz."

    Todo sentido da poesia.

    Parabéns!!

    Beijos,

    Anna Amorim

    ResponderExcluir
  11. Belíssimo! Em silêncio releio.

    Abraço
    cvb

    ResponderExcluir
  12. Gostei do sabor da sua poesia...

    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Voltei e fiquei de novo encantado coma excelência do teu poema.
    Escreve mais...
    Maria João, tem um boa semana.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  14. Querida Amiga, passei para deixar um abraço
    cecilia

    ResponderExcluir
  15. Maria João, está difícil novo poema...
    Mas a gente espera.
    Querida amiga, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  16. Sílabas que o acaso não arrasa mas resiste a uma poesia simbólica que passo-a-passo atinge o sol.
    __________________e o que os lábios calam os olhares desvendam.

    Adorei. saudades daqui.
    Bj.º

    ResponderExcluir