quarta-feira, 15 de maio de 2013

Mundo de minha Alma







Cesso negro verbo, chuva de meu clamor

Clamo a voz às pedras, face de meu sonho

Inerte é relógio parado
                                       Parado e ofuscado

                                 Inerte é o som da melodia


(Cesso os dedos, chamo a Voz minha)


A sombra de minha sombra derruba muros

                       E os muros escondem mundos

 Mundo de minha alma

Subo o passo no passo e o sonho meu

                
  Clamo à terra, assente a mim

  (Meu é o caminho de pétalas
                       em ventos de jasmim
                perfumes etéreos em nascimentos de Sóis
    

Cesso o negro verbo sombra

Constantes cores me cercam

                                      Pedras levitam

Formando letras, com elas insignificantes nomes

Cristais unem-se a meu corpo e meu corpo ao sonho

                        E o sonho à luz, verso de minha alma


Ecoam horas em cordas de liras

              Flores nascem em caídos vidros

                         que ao segundo

                                     Formam de novo, o Mundo.

16 comentários:

  1. Gosto muito da poesia da tua alma.
    Este poema é brilhante. Gostei imenso.

    Um beijo, minha querida amiga.

    ResponderExcluir
  2. "A sombra de minha sombra derruba muros" - Adoro!
    Mais um lindo poema, Maria João!
    Beijinho!

    Isa Lisboa
    => Instantâneos a preto e branco
    => Os dias em que olho o Mundo
    => Pense fora da caixa

    ResponderExcluir
  3. Que belo mundo é o mundo da tua alma,que habita a mais pura poesia. Construída em

    nascimentos de sóis,espalhada em ventos de jasmim em caminho de luz,sonho e versos

    que transcendem significados...

    O tempo da tua voz poética derruba muros,ecoa ao mundo a beleza do Ser único

    que presentifica...

    Um poema grandioso e belíssimo!!

    Adorei,amiga!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  4. o verso constrói mundos
    cessa as sombras
    restitui os passos

    Como terra
    sobre as pedras
    sobre as pétalas

    sob a voz do vento

    como cristais

    ___________

    Uma intima e profunda reconstrução do mundos
    nos tons de uma bela alma
    nas palavras de uma escrita em constante ebulição

    Bjo.

    ResponderExcluir
  5. Minha querida amiga Maria João, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. "...Cristais unem-se a meu corpo e meu corpo ao sonho

    E o sonho à luz, verso de minha alma..."

    E o teu verso tem uma melodia única!

    Beijo meu.


    ResponderExcluir
  7. A tua alma está fora do teu eu. Toma o mundo exterior e (re)constrói-o
    à medida dessa mesma alma. É como se fosse uma bola que atiras contra uma parede e a apanhas com pena de a expores a um tempo que a magoou nesse percurso.

    A tua alma é o (teu) MUNDO.

    Arte poética. Transcende...

    Bjo, Maria João :)

    ResponderExcluir
  8. Olá Maria João. Muito obrigada pela sua amável presença lá no blog... vim espreitar igualmente o seu canto e porque gosto de amantes das palavras (e também porque amizade com amizade se paga), já me registei.
    Virei visitá-la mais vezes.
    Um abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
  9. Um poema que nos percorre por dentro...
    Maravilhoso te ler, Maria João.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  10. Cheguei aqui por acaso... e voei no tempo, para lá do tempo!!!

    Deixo beijinho com carinho!

    ResponderExcluir
  11. Vim à procura de mais.
    Mas reli o teu excelente poema, porque vale mesmo a pena lê-lo várias vezes.
    Um beijo, minha querida amiga Maria João.

    ResponderExcluir
  12. o muro esconde o mundo, o mundo dá vida ás sombras, o lindo poema constrói vida, sombras e muros.

    ag

    ResponderExcluir

  13. Um verso de alma - da tua alma - é um cristal, uma partícula de mundo tão singular e bela, cuja sombra ecoa ( vezes sem conta) dentro de quem [te]lê.

    Um beijinho e a minha admiração pela tua escrita.

    ResponderExcluir